INTEROPERAhit
Solution Provider | FHIR | HL7 | ESBs | Consultoria | Hands-On |

Usando LOINC para Dados Laboratoriais

O que é LOINC, como funciona?

LOINC – É o acrônimo para Logical Observation Identifiers, Names, and Codes – É um sistema de código universal para identificar informações clínicas em registros eletrônicos. Embora o Regenstrief Institute detenha os direitos autorais do LOINC, este versátil sistema está disponível gratuitamente em www.loinc.org.

O padrão de vocabulário LOINC identifica ensaios de laboratório, observações clínicas e avaliações de pesquisa, combinando até seis atributos:
• Componente,
• Propriedade,
• Tempo,
• Sistema,
• Escala e
• Método.

A documentação do Guia do Usuário da ferramenta de código aberto Regenstrief, RELMA, fornece descrições detalhadas dos atributos. Um termo LOINC em sua natureza é numérico e possui um dígito de verificação, para assegurar a transcrição correta. Qualquer alteração em um dos seus seis atributos identificaram um termo diferente:

  • Glicose urinária num analisador químico em mg / dL = 2350-7
  • Glicose na urina tira reagente = 5792-7

Cada campo de resultado possui ambos os níveis dos termos LOINC:

  • Nível de pedido
  • Nível de resultados

Por exemplo, num painel de análise de urina teremos um termo de resultado para a aparência, pH, gravidade específica, etc.

Em geral, considere que os termos LOINC são como unidades de armazenamento internacionais, ou SKU e que acompanha o valor do laboratório para qualquer repositório clínico. Ele não substitui o código ou a descrição utilizada pelo laboratório local onde os testes estão sendo realizados, mas todos os sistemas ‘carregados’ com o banco de dados LOINC podem identificar o mesmo ensaio.
Algoritmos ou cálculos também podem ser aplicados para reunir testes de laboratório ou observações com os mesmos termos LOINC.

 

Quais são as melhores práticas para implementar o LOINC?
Primeiro, defina prioridades e metas identificando seus casos de uso. Hospitais, organizações de saúde pública, laboratórios de pesquisa, programas de mineração de dados, fabricantes de diagnóstico in vitro e governos podem abordar a implementação do LOINC de maneiras diferentes.

O uso do LOINC começa com o treinamento de pessoal, implementando e avaliando processos locais, monitorando bancos de dados locais para mudanças contínuas no catálogo de testes, incorporando novas versões LOINC duas vezes por ano e mapeando os termos de sua instituição para os termos LOINC.
É recomendada a utilização de um relatório com os resultados dos testes para começar com ensaios em maiores volumes. Também ajuda consultar laboratórios nacionais de referência e fornecedores de instrumentação, para verificar se eles podem fornecer os termos LOINC para seus ensaios.

Planeje com antecedência e alinhe-se com o Departamento de Tecnologia da Informação. Além disso, identifique todas as partes que têm níveis de acesso a segurança e poderes de editor em no banco de dados de teste do laboratório e desenvolva um relatório que canalize todas as alterações do banco de dados para o mapeador LOINC utilizado.

Também é imperativo envolver pessoal com treinamento médico no desenvolvimento cross-walk. A equipe de TI não pode fazer isso sozinha.

O site do LOINC contém uma seção de documentação que é muito útil para implementação do sistema. Além disso, o site tem uma guia de planejamento e um cronograma de duração de atividades que os gerentes de projetos acharão úteis, bem como um artigo do Indiana Health Information Exchange resumindo 13 meses de trabalho codificando milhões de termos em seus hospitais e clínicas.
Eles demonstraram que pouco mais de 500 mapeamentos abrangiam todos os resultados para mais de 99% dos valores.

 

Trata-se de um projeto único, ou é necessária atualização contínua?
Não. Os sistemas de informação laboratoriais são dinâmicos, e incorpora continuamente mudanças de Kits de reagentes, instrumentação, bem como mudanças nos contratos e opções de laboratório de referência. À medida que a tecnologia laboratorial avança, o LOINC também o faz.

Cada versão da terminologia LOINC também vem com uma grande quantidade de fluxos. Os usuários correm o risco de falta de comunicação na troca de informações se o computador não reconhecer o termo LOINC.
Nesse caso, a mensagem de resultado do laboratório pode ir para um log de erros e não ser transmitida corretamente. Estes dados em falta afetam a segurança do paciente.

A boa notícia é que a fase de manutenção do LOINC não ocupa a mesma quantidade de tempo que a fase de implementação leva. Esta tarefa em curso pode reduzir a algumas horas por mês, com uma ou duas auditorias anuais.